Projeto estimula empreendedorismo de jovens negros em Salvador

Projeto estimula empreendedorismo de jovens negros em Salvador

Formar e promover o empreendedorismo entre jovens negros de Salvador com idade entre 14 e 30 anos, essa é a meta do Afrotonizar. O projeto, vai oferecer oficinas gratuitas de economia criativa, moda, cosméticos, gastronomia e audiovisual entre os dias 3 e 29 de Julho para as comunidades de Plataforma, Uruguai, Dois de Julho e Curuzu, na Liberdade.

Para uma coordenadoras , Naymare Azevedo, o projeto visa estimular o surgimento de espaços de representatividade para os jovens negros na capital baiana. “ Nossas oficinas irá atuar em diversos setores do empreendedorismo em regiões muito populosas e com uma grande parcela de população negra”. A intenção é criar oportunidades para os setores da economia criativa e desenvolver neles a noção de como elaborar um projeto e desenvolver ideias que podem gerar lucro e algum tipo de valor”.

O Afrotonizar ficará durante uma semana em cada bairro, de 3 a 8 de julho no Curuzu, de 10 a 15 de julho, no Espaço Cultural Alagados, de 17 a 22 de Julho, no Centro Cultural Plataforma e de 24 a 29 de Julho, no Centro Cultural ‘Que Ladeira é Essa?’, na Ladeira da Preguiça, no Dois de Julho.

A iniciativa tem financiamento do Fundo de Cultura da Secretaria de Cultura do Estado (Secult) e conta com apoio da Universidade Federal da Bahia (Ufba), do site Lista Negra e organizações dos territórios onde as oficinas serão realizadas, como o bloco afro Ilê Ayiê, o Centro Cultural ‘Que Ladeira é Essa?’ a Rede de Protagonistas de Itapagipe (Reprotai) e o Movimento de Cultura Popular do Subúrbio (MCPS).

Para participar, basta acessar o link: http://zip.net/bhtKv2

Luciane Reis

O MercAfro é um Negócio étnico e social que se estrutura via plataforma online de produção de conteúdo e ensino, cujo objetivo é integrar via desenvolvimento pessoal e ensino online, as diversas modalidades de empreendedores e empresários étnicos cuja linha comercial seja a valorização de saberes culturais e identitários de segmentos considerados “ de baixa renda” ou seja, das classes B,C,D,E, residentes no Brasil e com expansão para toda a America Latina.